quinta-feira, 28 de maio de 2009

Já foi bom



Sinto saudade daquele tempo
Em que eu me acompanhava.
Ter meus livros e discos me bastava
Em que estar só já foi bom.

Quando ficou tão difícil
Passar uma tarde em meu edifício
Aproveitando o silêncio,
A vida tinha outro tom.

Quando se tornou necessidade
Vaguear pela cidade,
Em busca de companhia.
De qualquer frisson.

Sinto saudade daquele tempo
Em que eu me acompanhava.
Ter meus livros e discos me bastava
Em que estar só já foi bom.

Porque se tornou preciso
Entregar-me a relações efêmeras
Sem sentido, passageiras,
Amores cantados em semitom.

Aumentam esse estranho vazio
Deixam aquecido por fora,
Mas por dentro mais frio.
O mundo mais marrom.

Sinto saudade daquele tempo
Em que eu me acompanhava.
Ter meus livros e discos me bastava
Em que estar só já foi bom.

A solidão, antes visitante,
Virou presença constante,
Uma nova amante,
Embaixo do edredom.

O silêncio ficou incômodo
Ocupou cada cômodo,
E então para camuflá-lo
Ligo o som.

Sinto saudade daquele tempo
Em que eu me acompanhava.
Ter meus livros e discos me bastava
Em que estar só já foi bom.

2 comentários:

Mari Navarro ~ disse...

que lindooo, luscas! Esse dom de ser artista assim, escrever esses textos lindos, cantar... deve ser de família ne? hauahuahua

beijooos!

Lucas Peixoto disse...

que prima mais convencida!! me elogia se elogiando!! mas minha avó já dizia que herdei meu lado artístico dos Navarro!