domingo, 22 de novembro de 2009

Jogo do Engodo


Não é que eu não conheça tuas artimanhas e sutilezas
Mas deixo-me embriagar por tua beleza
Te permitindo explorar minha fraqueza

Você pensa que sou inocente,
Que me manipula facilmente,
Mas sou eu quem te procura
Porque não te quero ausente.

Você me diverte tanto
Me joga todo teu charme e encanto
Me faz sentir como um santo
Por perdoar tua esperteza.

É perigosa essa brincadeira:
Por mais que nem eu, nem você queira
Alguém acaba se machucando.

Meu espírito aventureiro no entanto
Me leva a me entregar por inteiro
Ao som de tua voz, a qualquer acalanto,
Agora é saber quem perde primeiro!

Um comentário:

Shi Oliveira. disse...

Lú, que lindo!
Com este vc se superou mesmo!
Eu adorei a dicotomia do ganhar e perder;
dos riscos que se corre enquanto se aposta..
nossa, construção maravilhosa e o desfecho, digno demais!

parabéns!! :)