sábado, 5 de dezembro de 2009

Saudade











Saudade é bicho diferente
Que nos ataca de repente
No meio da distração
Mas só com o tempo
É que a gente sente
O tal do veneno
Na circulação
E fica um pouco tonto
Fica ruim de respirar
Com uma sede estranha
Que nos acompanha
Sem querer passar.

Saudade é uma canção antiga
Que ficou perdida na recordação
Que quando a gente escuta
Fica meio dormente
Por viver de novo
Aquela sensação,
Que era conhecida,
Mas tava esquecida
Até aquele instante
Em que por acaso
A gente se depara
Com a velha canção.

3 comentários:

Anônimo disse...

Sabe, sinto falta de ler um poema assim... Q traduza de forma simples a confusão de sentimentos q nos são trazidos pela saudade.
Vc é talentoso. Parabéns!
Beijo.
L.

Shi Oliveira. disse...

O que mais eu posso dizer se o ser acima roubou todo o léxico plausível? haha
L. sempre chegando na frente né?
ah, essa parceria de L(s) desalmados! rsrs

amo a dupla!! :*

Lucas Peixoto disse...

L. sempre lê meu blog, fazer o que???
L. é meu público fiel!kkkk